Vida Adulta

As Pequenas Alegrias da Vida Adulta

Renata Lapetina
Escrito por Renata Lapetina em 2 de março de 2020
As Pequenas Alegrias da Vida Adulta

Foto: Júlia Rodrigues / Divulgação

Crescer dói. A responsabilidade pesa. Junte-se a isso mudanças tecnológicas constantes, transformações na forma de comunicação e clima político polarizado. Temos a receita perfeita para adultos ansiosos, depressivos e isolados.

Sou fruto da geração que se acostumou a chamar de X, os millennials. Nos últimos anos li muitos artigos e notícias sobre como minha geração estava mudando o mundo e destruindo muitas coisas. Não importa a geração, imagino que sempre deve ter sido difícil ser um adulto nesse mundão.

Mas calma, vamos respirar um momento (conselho do Emicida) e pensar um pouco sobre essa coisa de ser adulto?

A culpa é dos millennials

Fomos acusados de acabar com a maionese, não comprar guardanapos nem giletes e gastar demais com avocado toasts. A lista de indústrias que os millenials supostamente “mataram” ou deixaram em maus lençóis é enorme e inclui amaciantes, refrigerantes e até o golfe.

Vimos um número gigante de tecnologias nascerem, algumas se transformando em essenciais (como a gente vivia sem isso antes?) e outras morrendo (blue-ray, o que é isso?).

Também somos a geração que buscou e ainda busca por propósito e realização pessoal no trabalho. Que foi atrás de equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Que está muito longe de comprar um imóvel, inventou a economia compartilhada, que demora para casar e tem filhos mais tarde.

Imagino que uma nova geração entrando na maioridade sempre gere impactos e irrite a galera que veio antes. Essa foi a primeira vez que presenciei isso acontecendo. Fato é que os adultos atuais valorizam coisas diferentes que seus pais e avós. São fruto de um momento histórico diferente e cresceram com outras possibilidades no horizonte.

Apesar da melhoria da qualidade de vida nas últimas décadas em muitos lugares do mundo (não em todos e não igualmente, que fique claro), a sensação é que nunca foi tão difícil ser um adulto no planeta Terra.

O que posso dizer da minha experiência como uma adulta imersa em redes sociais, fake news, startups unicórnio e a uberização do mercado de trabalho? É tanta coisa que nem comecei a formular ainda. Só sei que não está sendo fácil.

Mas também não é o fim do mundo.

Pense: E o quanto vida vale? Seja luz nesse dia cinzento

Em “Pequenas Alegrias da Vida Adulta”, música na qual essa reflexão foi inspirada, Emicida reconhece a dificuldade de ser adulto nos nossos tempos, mas também aponta muitas coisas positivas. O olhar dele vai para os detalhes do dia a dia, o que me tocou profundamente.

Por que não reajustar a perspectiva e escolher focar nas pequenas coisas boas? Pode parecer clichê. Mas, em sua música, Emicida é tudo mesmo clichê ao destacar os pequenos momentos de felicidade em uma vida adulta:

“É um sábado de paz onde se dorme mais
O gol da virada quase que nóis rebaixa
Emendar um feriado nesses litorais
Encontrar uma tupperware que a tampa ainda encaixa (ó Glória)
Mais cedo brotou alecrim e uns segredo
‘Tava com jeito que ia dar capim
Ela reclama do azedo, recolhe os brinquedos
Triunfo hoje pra mim é o azul no boletim
Uma boa promoção de fraldas nessas drogarias
O faz me rir na hora extra vinda do serviço
Presentes feitos com guache e crepom lembra meu dia
Penso que os sonhos de Deus deve ser tipo isso”

(As pequenas alegrias da vida adulta, Emicida, part. Thiago Ventura e Marcos Valle)

É mundano, é pequeno, mas são desses momentos que uma vida humana é feita. Por que a gente age como se fosse pouco?

Minha alma disse: “demorô”

Nosso cérebro está sempre nos direcionando para preocupações futuras. Insiste em nos fazer acreditar que a alegria e felicidade estão nos grandes momentos, nos casamentos, promoções e compras de casa própria.

Mas, sejamos sinceros, se só os grandes momentos valem a pena, vamos viver 99% do tempo esperando por esse 1%. Não me parece justo. Ou inteligente de nossa parte.

Os marcos de uma vida são raros, por isso são marcantes. São a convergência de anos de esforço, ou de vulnerabilidade para se relacionar com as pessoas, ou de muito trabalho interno. Se a gente for viver pagando os boletos, pegando os ônibus e dando valor apenas para esses grandes momentos, vai ficar difícil mesmo.

Sem contar que, me desculpem as crianças e adolescentes, mas essas fases também são complicadas. Penso que nem tudo era flores. O que dizer da falta de liberdade? A dificuldade de se relacionar sem saber ainda quem realmente somos? As dúvidas e falta de autoconfiança?

Por isso, busco olhar para essas pequenas alegrias do dia a dia. Uma peça de teatro que tenho a oportunidade de ver (coisa que jamais aconteceria quando era mais nova). A janta que preparo, que fica parecida com a comida da minha mãe. A possibilidade de pensar e escolher meu estilo de vestir.

É uma escolha de perspectiva, que nem sempre é fácil de ser feita. Tem muito a ver com os conceitos de viver o presente, atenção plena e mindfulness. Gostar de meditar e ler uns livros de autoajuda? Também é coisa de millennial, mas que faz sentido, faz. Pelo menos para mim.

Indico muito escutar a música e todo o álbum AmarElo, do Emicida.

Para uma análise linda de “Pequenas Alegrias da Vida Adulta”, incluindo o próprio Emicida, não deixe de escutar o episódio #222 do podcast Mamilos, de Juliana Wallauer e Cris Bartes.

Olá,

o que você achou deste artigo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *