Diga sim à vida e faça diferente!

Yes_Man_CapaNunca fui fã dos filmes de Jim Carey. São raros os que são estrelados por ele que acho realmente bons. Ele sempre apela para comédias estilo pastelão e atuações exageradas que, para mim, não são nada engraçadas. Porém, o filme “Sim, senhor” (Yes, man), de 2008 é um dos poucos que realmente gostei. Assisti este filme há muito tempo, talvez no mesmo ano de 2008, não me lembro exatamente quando, mas me peguei pensando sobre ele. Não acho que seja uma obra prima cinematográfica, entretanto a mensagem que ele passa tem muito a ver com meu momento de vida atual.
Se você não viu, é uma história sobre um homem, interpretado por Jim Carey, que diz sempre “não” a tudo e a todos. Certo dia, ele se inscreve em um programa de autoajuda, cujo princípio é dizer sempre “sim”. Ao seguir este lema, o personagem se mete em diversas confusões, mas também ocorre uma mudança grande em sua vida. Ao final do filme, ele está muito mais feliz do que no seu início. Não contarei mais o enredo para não dar spoilers, mas, se o analisarmos profundamente, podemos tirar grandes lições.
Devemos dizer mais “sins” do que “nãos” para as situações e pessoas que surgem em nossas vidas. Desta forma, estaremos mais abertos para que coisas ruins aconteçam, como é apresentado no filme, mas também corremos o risco de que coisas muito melhores ocorram. E apenas desta forma, dizendo “sim” para a vida e suas oportunidades, sendo vulneráveis, iremos atrair o que é bom. Estou procurando viver desta maneira cada vez mais, e me policiando para responder menos “nãos”. Para mim, isso é uma dificuldade, pois tenho a tendência de pensar de uma forma mais catastrófica e de como as coisas podem dar errado a partir das minhas escolhas. Por isso, estou fazendo o exercício de conscientemente, dizer mais “sins” e lidar com as suas consequências.

Outro personagem que me fez pensar sobre este assunto é o George Costanza, amigo inseparável deGeorge_Costanza Seinfeld, da série de mesmo nome, da qual sou fã absoluta. Se você assistiu a essa série sabe que este personagem é mentiroso, azarado, preguiçoso, neurótico e, nas primeiras temporadas, acontece uma sucessão de incidentes (geralmente causados por ele mesmo) que o deixam sem emprego, sem dinheiro, sem namorada e morando com seus pais. Pois bem, em um certo episódio (The Opposite – Temporada 5 – Episódio 21), George está pensando sobre sua vida no café que frequenta com os amigos, e percebe que todas as suas decisões até aquele momento o tinham levado ao fracasso. Então ele resolve fazer o oposto de tudo o que faria instintivamente. Começa pedindo uma comida diferente, vai conversar com uma mulher que está no café e, ao fim do episódio, acaba conseguindo uma nova namorada e, de quebra, o emprego dos sonhos e um apartamento.
Guardadas as devidas proporções, pois acredito que meu instinto não seja tão ruim quanto o de George, este episódio realmente me fez pensar sobre a minha vida, que não estava em um momento satisfatório para mim, e minhas decisões. Decidi que, a partir daquele momento, iria fazer como George e tomar atitudes opostas do que normalmente tomaria. A partir daí, fiz uma tatuagem, pedi demissão do meu emprego sem ter outro em vista, enfim, procurei tomar certas decisões que me causavam medo, pois me tiravam da zona de conforto. De certa maneira, foi uma forma de dizer “sim” para a vida, fazer coisas que não eram instintivas para mim, pois me causavam medo e por consequência paralisia, mas coisas que eu tinha vontade ou sabia que deveria fazer.

Te convido, então, a fazer o mesmo e repensar suas decisões e ações. Quantos “sins” e quantos “nãos” você dá por dia? Será que se você fizesse algumas coisas de forma “oposta” não teria resultados melhores e mais alinhados com o que realmente quer? Que tal fazer este exercício e ser um pouco Jim Carey e um pouco George Costanza? Talvez sua vida tome rumos que você nem imagina.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *